Amizade e poesia

 Por Maisa Antunes

“Gosto do por do sol quando as nuvens ficam cor de rosa”, foi uma das primeiras frases ditas por ele, que ela guardou. Olhou-o com curiosidade. Os passeios de bicicleta logo traçaram caminhos de amizade e carinho entre eles. Aumentando e diminuindo marchas, atravessaram fronteiras do tempo e encontraram-se ali pela mesma idade de brincar de existir.

“Vou levar-te a conhecer um sítio giro”, era uma casa abandonada, dessas em desuso, onde só a poesia poderia nela fazer existências. Aquele menino tinha espírito de poeta, ele arrancava o belo das coisas e das pessoas, com simplicidade e com viço natural de menino. Ele fazia dela uma possibilidade de encontro com a beleza, e ela encontrava nele um guardador do efêmero, daquelas coisas que só servem para nunca mais esquecer.

DSCF2898

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s